Skate – Modalidades

Street Style (Skate de rua) – modalidade mais praticada pelo mundo afora. A arquitetura da cidade é usada como obstáculos. São utilizados os bancos, corrimões, escadas e o calçamento, como obstáculos para executar as manobras. Com certeza é a mais popular e preferida pelos skateboarders.

Freestyle – manobras feitas em sequência, geralmente no chão. É considerada uma das primeiras modalidades do Skate.  Sequências como kickflip, 360 flip, inward heelflip, hardflip, sem obstáculos. O melhor skatista de freestyle foi Rodney Mullen.

Down Hill – descida de ladeiras na maior velocidade possível.

Downhill Slide – descida de ladeiras em alta velocidade, realizando manobras de derrapagem.

Downhill longboard – o atleta desce uma ladeira fazendo manobras em alta velocidade. Um dos inventores do downhill-slide foi Clifford Coleman, um californiano de Berkeley. Ele e seus amigos de sessão começaram a criar a arte de deslizar (Slide) por volta de 1965, mas somente em 1975 é que se encontraram num evento e puderam compartilhar suas experiências vividas nestes 10 anos e exibiram os primeiros slides em pé (Stand-up) de que se tem notícia. Com o passar dos anos, Cliff começou a desenvolver outro tipo de Slide, o Slide de mão, agachado, o qual poderia ser executado em velocidades maiores proporcionando uma maior segurança no Downhill, visto que este slide poderia ser utilizado como uma espécie de freio na descida de ladeiras maiores e/ou mais íngremes. Desenvolvendo a habilidade dos skaters de descer ladeiras cada vez maiores e mais rápidas (naquela época).

Downhill Stand-up – descer a ladeira imprimindo velocidade. Equipamentos necessários para a pratica do Downhill speed são macacão de couro, tênis, luva com casquilho, capacete fechado, e um skate próprio para velocidade. O recordista mundial de velocidade é o canadense Micho Erban, ele chegou a 130 km/h em uma ladeira no Canadá.

Vert ou Vertical – é praticada em pista e pode ser subdividida em outras modalidades, variando sempre as condições da pista. As manobras podem ser aéreas ou deslizando pela borda metálica da pista.

Half-Pipe – a modalidade vertical do Skate é praticada em uma pista com curvas (transições),  que apresenta a forma de U, é chamada de half-pipe e pode ser feita de madeira ou concreto. O conceituado skatista Tony Hawk ficou famoso por suas grandes habilidades nos half-pipes.

Pool Riding – praticado em piscinas vazias de fundo de quintal, que com suas paredes arredondadas são verdadeiras pistas de skate. Na realidade as pistas de skate em forma de Bowl (bacia) são inspiradas nas piscinas, que tinham a transição redonda: azulejos e coping. O fundo redondo das piscinas americanas é para o caso de a água congelar as paredes não arrebentarem, pois nesse caso o gelo se deslocaria para cima, não fazendo pressão nas paredes. Na década de 1970, alguns esqueitistas da Califórnia, mais precisamente de Santa Mônica, se aventuraram a andar em piscinas vazias, e assim foi criada o Pool Riding que atualmente é uma modalidade underground praticada por alguns esqueitistas que gostam de transições rápidas. Em 1999, a Vans (uma marca de tênis para esqueitistas) inaugurou uma das maiores pistas da América, onde a atração principal é uma réplica da famosa piscina Combi Pool que ficava na extinta pista de Pipeline em Upland.

Big Air- modalidade criada por Danny Way outro que foi adaptada e atualmente é a principal competição do X Games. Colocando modalidades que também refletem parte do que os skatistas querem mostrar para o mundo, como o fim da disputas do skate park e mostrar disputas de street skate, em obstáculos que verdadeiramente reproduzem o que os skatistas de street fazem.

Mini-rampas – práticado em rampa que mistura os estilo Street e Vertical (paredes pouco inclinadas). As minirrampas são populares em todo o mundo, pois, devido à pouca altura que elas possuem, as manobras são executadas com uma maior facilidade. Nesta modalidade, a uma mistura de street com vertical. Na realidade, as minirrampas são um mini half pipe, onde as paredes não chegam ao vertical. Elas variam de 1 a 2 metros e 10 cm de altura. São excelentes para se aprender manobras, principalmente as que utilizam bordas, onde o eixo ou as rodas permanece em contato com o coping (detalhe de acabamento feito por um cano, inspirado nas piscinas americanas de fundo de quintal). Essas pistas são facilmente construídas. O risco de se machucar em uma manobra é bem pequeno e é uma prática necessária para a evolução de qualquer skatista.

(fontes: Revista Boa Forma e Wikipédia)